Geadas causam perdas bilionárias na safra de milho e encarecem alimentos

O Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná anunciou que o Estado, o segundo maior produtor de milho do Brasil, vai colher a pior safrinha de milho (segunda safra ou safra de inverno) dos últimos anos

Segundo estimativas do órgão, divulgadas nesta semana, devido à ocorrência das geadas, a projeção para a safrinha deverá ser de 6,1 milhões de toneladas, quase metade da safra do ano anterior, de 12,34 milhões de toneladas. Até o final do mês passado, a expectativa era de que o estado produziria 9,8 milhões de toneladas, considerando as perdas provocadas pela seca. O prejuízo estimado é de R$ 11,3 bilhões até agora.


Nas projeções apresentadas nesta semana, o órgão aponta que a quebra na safrinha de milho já representa a redução de 50% do volume colhido em relação à produção da safrinha do ano passado e a redução de 58% em relação às expectativas do início da temporada, quando a produção total era apontada em 14,6 milhões de toneladas.


Com isso, segundo o departamento, a perda nesta safra é a maior da história do Paraná, atingindo 8,5 milhões de toneladas. Segundo o órgão, esse volume equivale a três safras de milho de verão, que no Estado gira em torno de 3 milhões de toneladas. "Esta perda histórica foi em decorrência, primeiro, da estiagem que acompanhou boa parte da safra, da ocorrência de pragas [principalmente a cigarrinha e lagarta do cartucho] e com geadas de intensidade forte que ocorreram no final do mês de junho e, em menor grau, as geadas da segunda metade de julho", afirmou Edmar Gervásio, especialista em milho do Deral.


Alimentos mais caros.


A quebra na safra de milho implicará diretamente em alimentos mais caros no supermercado. Isso porque o milho é o principal item da indústria de rações voltadas para a alimentação de frangos, suínos e bovinos. O pico do impacto, segundo especialistas de mercado, deve afetar os resultados no próximo mês, já que a previsão é que o IPCA-15 (índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) aumente em 1%. Em julho, o aumento foi de 0,47%.



Para mais informações acesse: https://economia.uol.com.br/