top of page

Produção de trigo da Índia é prejudicada por onda de calor

Uma onda de calor no norte e centro da Índia em um momento em que a safra está amadurecendo está ameaçando danificar os grãos e prejudicar a produção de trigo do país pelo segundo ano consecutivo. A redução da produção em meio à queda dos estoques para o nível mais baixo em 6 anos pode forçar o segundo maior produtor mundial do grão a permitir importações após proibir as exportações no ano passado. "O inverno ainda não acabou, mas durante o dia as temperaturas sobem como no verão", disse Rameshwar Chowdhury, que plantou trigo em seis acres na vila de Niwai, no estado de Rajasthan, no noroeste. "Estamos irrigando campos para limitar o impacto, mas além disso não podemos fazer nada."

A temperatura máxima em algumas áreas de cultivo de trigo saltou acima de 39 graus Celsius por alguns dias em fevereiro, quase 10 graus Celsius acima do normal, de acordo com dados do departamento de clima. Temperaturas mais altas levariam ao amadurecimento precoce da safra e os grãos poderiam murchar, como no ano passado, disse Chowdhury.


A Índia registrou sua temperatura máxima mais alta em fevereiro e o escritório meteorológico alertou que o país provavelmente sofrerá outra onda de calor em março, especialmente nos principais estados produtores de trigo do centro e do norte. Uma onda de calor em março pode prejudicar ainda mais a safra, que já mostra sinais de estresse, disse outro agricultor, Gopilaal Jaat.


Em 2022, uma onda de calor em março reduziu a produção de trigo da Índia para 100 milhões de toneladas, contra o consumo local de 103,6 milhões de toneladas, estima o Serviço Agrícola Estrangeiro do Departamento de Agricultura dos EUA.


A Índia estimou no mês passado que a produção de trigo em 2023 poderia se recuperar para um recorde de 112,2 milhões de toneladas, mas os órgãos comerciais estão menos otimistas devido à onda de calor. "As temperaturas mais altas em março podem reduzir a produção em 4 a 5 milhões de toneladas. Estamos estimando uma produção de cerca de 106 a 107 milhões de toneladas", disse Pramod Kumar S, presidente da Federação dos Moinhos de Farinha de Rolos da Índia (RFMFI).


As casas comerciais globais e indianas estão ainda mais pessimistas e prevendo uma queda muito maior na produção. "Reduzimos a estimativa de 109 milhões de toneladas para 103 milhões de toneladas", disse um negociante de Nova Délhi com uma trading global, acrescentando que a produção pode cair para cerca de 100 milhões de toneladas se as temperaturas permanecerem acima do normal em março, conforme previsto pelo departamento de clima. .


A produção mais baixa manteria os preços do trigo acima do preço de compra do governo e encorajaria os agricultores a vender para empresas privadas, disse o negociante.


As compras estatais caíram 53% em 2022, para 18,8 milhões de toneladas, elevando as tarifas locais e forçando a Food Corporation of India (FCI), apoiada pelo governo, a liberar 5 milhões de toneladas de grãos de suas reservas para reduzir os preços. Mas as vendas, que estão em andamento, reduziriam pela metade os estoques do governo no início do ano de comercialização de abril a março, para 10,2 milhões de toneladas, o menor nível em seis anos, estima o USDA.


Para repor os estoques, o governo pretende adquirir cerca de 34 milhões de toneladas de agricultores em 2023. "O governo fará de tudo para garantir a segurança alimentar e manter os preços sob controle. Pode até permitir importações, se necessário", disse Kumar da RFMFI.




Fonte: Reuters com tradução*


Para mais informações acesse: https://www.agrolink.com.br

Comentários


bottom of page